Notícias

Feriados terão restrição de veículos especiais na BR-101 Sul catarinense

Feriados terão restrição de veículos especiais na BR-101 Sul catarinense

15/04/2014 às 16:25:29

Os transportadores de carga deverão atentar para restrições de tráfego por trechos não duplicados da BR-101 Sul, em Santa Catarina, durante quinta-feira, sexta-feira Santa e na próxima segunda-feira, feriado de Tiradentes. Segundo a portaria 046, de dezembro de 2013, da Coordenação-Geral de Operações da Polícia Rodoviária Federal (CGO-PRF), estão sujeitas à restrição todas combinações com três ou mais unidades, como bitrens, rodotrens, tritrens ou treminhões, assim como as cegonhas de 22,4 metros, e todos os veículos que possuem ou deveriam possuir Autorização Especial de Transporte, em virtude de alguma dimensão excedente. As combinações de veículos com até duas unidades, sendo um caminhão-trator e um semirreboque ou um caminhão e um reboque, desde que não excedam as dimensões regulamentares (4,40 metros de altura, 2,60 metros de largura e entre 14 a 18,60 metros de comprimento), poderão trafegar por trecho de pista simples.   O objetivo da restrição é garantir a trafegabilidade de veículos menores durante os dias de feriados nas próximas semana, onde há acréscimo histórico na movimentação de veículos pela BR-101 Sul.  As restrições vão ocorrer nos seguintes dias e horários: 17/04 (quinta-feira): das 16 horas às 24 horas; 18/04 (sexta-feira): das 6 horas às 12 horas; 21/04 (segunda-feira): das 16 às 24 horas. Os trechos em que há tráfego de veículos por pista simples na BR-101 Sul/SC estão alocados: Do km 232 ao km 235 (Morro dos Cavalos, em Palhoça); No km 308 ao km 318, em Laguna; Do km 336 ao km 339, no Morro do Formigão, em Tubarão. De acordo com a portaria, o descumprimento da proibição de tráfego constituí infração de trânsito média, (R$ 85,13), prevista no artigo l87 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).  O veículo autuado só poderá seguir viagem após o horário de término da restrição. Para informações sobre avanço de obras, desvios e trabalhos complementares na BR-101 Sul catarinense, estarão disponíveis pelos canais de interação da ESGA/DNIT pelo telefone 0800 6030 101 e pelo site www.101sul.com.br.

A cada dois quilômetros, é possível realizar retornos na BR-101 Sul/SC

15/04/2014 às 16:24:49

Com a duplicação de pistas e aumento nos limites de velocidade, o trânsito pela BR-101 Sul catarinense, entre Palhoça a Passo de Torres, ficou mais rápido e seguro. Além da redução de tempo em movimentação, os usuários da rodovia federal podem contar, agora, com pontos para retorno de sentido a cada dois quilômetros, aproximadamente. A construção de 110 viadutos, ao longo de 248,5 quilômetros, possibilita a circulação de pedestres, de veículos entre bairros e retorno de sentido de viagem a cada 2,25 kms, em média. Somados aos viadutos, o DNIT disponibilizou, ainda, quatro retornos em nível, distribuídos em Tubarão, Araranguá e São João do Sul. Antes da duplicação de pistas, os motoristas precisavam trafegar até o acesso a bairros ou municípios, onde os retornos em nível existiam. Os viadutos, construídos sobre muitos desses contornos, são a forma mais confortável e segura de mudar a direção de fluxo, afastado da movimentação da rodovia. Com a construção de viadutos e a eliminação dos retornos sobre pista, os usuários da BR-101 Sul, sejam eles em trânsito de longo curso ou em tráfego local, devem atentar para a manobra de acessos das vias laterais. Nessas vias, o limite de velocidade é de 50 km/h, menor que na rodovia. Toda a indicação para os locais de retorno de sentido ou acessos a vias laterais é orientada por painéis, placas de indicação, pórticos e semipórticos instalados no trecho catarinense e gaúcho, pertencentes a sinalização definitiva da BR-101. Ao acessar as vias laterais, para completar a manobra de retorno ou acesso às cidades lindeiras, os motoristas devem ter atenção primeiro à sinalização vertical indicatória para ter certeza que naquele ponto da rodovia é possível a entrada. Anterior aos viadutos, o DNIT instalou painéis, com a altura das estruturas, para que transportadores de carga meçam o tamanho da carga e façam a manobra de retorno. Nos trechos duplicados, o retorno de sentido deve ser feito sob as obras de arte especiais (OAEs), liberadas. Os cuidados devem ser redobrados ao acessar as pistas sob os viadutos e passagens inferiores, observando o fluxo de veículos nas vias lindeiras, bem como a altura das estruturas. Nas vias lindeiras, o limite de velocidade está fixado em 50 km/h e a faixa da direita serve para tráfego local, entre bairros. Em algumas vias laterais, como em Tubarão, Içara, Maracajá, Sombrio e Santa Rosa do Sul há tráfego de veículos em mão dupla, sendo que os usuários devem ficar atentos à sinalização vertical disposta. Além das OAEs, a mudança de sentido nas faixas de rolagem pode ser realizada em retornos em nível, construídos em trechos duplicados da BR-101 Sul. Há retornos em nível no km 344, em Tubarão, no km 406, entre os viadutos de transposição do banhado de Maracajá, e no km 460 e km 461, em Santa Rosa do Sul. Nestes trechos os motoristas devem atentar para o reingresso na rodovia, sempre paralelo à faixa destinada ao fluxo rápido de veículos. Nos lotes em duplicação, os retornos de pista devem ser realizados nos pontos indicados na rodovia pela sinalização vertical provisória. Geralmente, nas extremidades dos desvios há retornos implantados.
Turistas e pescadores devem redobrar cuidados na construção da Ponte de Laguna

Turistas e pescadores devem redobrar cuidados na construção da Ponte de Laguna

15/04/2014 às 16:23:49

A temporada de Verão acabou e as atividades náuticas e pesqueiras, feitas por turistas na lagoa Santo Antônio dos Anjos, em Laguna, diminuíram. Mesmo assim, os cuidados permanecem, na medida em que as obras de construção da Ponte de Laguna avança sobre a lagoa, tanto para os turistas quanto para os pescadores, que naveguem próximo ao empreendimento.   Todos as pessoas que utilizarem embarcações, de quaisquer tamanhos, devem atentar para a circulação de balsas e barcaças de serviços utilizados pelo consórcio Ponte de Laguna. A lagoa Santo Antônio dos Anjos serve de espaço para natação, uso de lanças e jet-skis e também para pesca esportiva. Por isso, é preciso respeitar o espaço destinado para a circulação dos transportes aquáticos do consórcio, bem como é proibida a natação e pesca no canal dragado e sinalizado, bem como próximos aos pilares em construção.   O consórcio Ponte de Laguna, formado pelas empresas Camargo Corrêa- Aterpa M.Martins-Construbase, responsável pela construção da ponte sobre o Canal de Laranjeiras, na BR-101 Sul, alerta pescadores, turistas e as comunidades lindeiras ao empreendimento que realiza atividades de colocação das mãos francesas no trecho em água da ponte no Canal de Laranjeiras. As peças compõe as abas laterais para construção das faixas de rolagem de trânsito e são instaladas individualmente, partindo o tabuleiro da ponte. Todas as medidas de segurança são tomadas pelo consórcio construtor, no entanto, algumas precauções são necessárias para redobrar os cuidados e garantir a completa segurança da população que faz uso da lagoa. A sinalização deve ser respeitada e evitada a circulação de embarcações e banhistas nas áreas de operação, principalmente em aquelas de colocação de mãos francesas ou içamento de cargas. A construção da ponte sobre o Canal de Laranjeiras, em Laguna, é empreendimento rodoviário de grandes proporções. Toda a comunidade lindeira, localizada nos bairros Cabeçuda e Mato Alto precisam atentar para alguns itens de segurança. O mesmo é requerido dos pescadores, turistas e usuários da BR-101 Sul que trafegam entre o km 312 ao km 314. Pescadores artesanais ou turistas que naveguem pela lagoa por canoas, lanças ou jet-skis devem atentar a circulação das balsas de serviço, transportando peças, trabalhadores, aduelas e combustível, navegando do Canteiro Central até a frente de obras em água. É preciso observar o espaço sinalizado com boias metálicas, onde o canal de serviço foi dragado para circulação das embarcações envolvidas na construção da ponte. O DNIT e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) solicitam aos motoristas e pedestres, por vez, para atentar a movimentação de equipamentos e trabalhadores nas obras de construção. A frente de trabalho está toda cercada por tapumes, para evitar que pessoas não autorizadas possam acessar à obra, se expondo a riscos desnecessários. Para a população lindeira é preciso atentar aos cuidados necessários para cruzar as faixas de rolagem construídas no desvio. Há dois pontos para travessia de pedestres identificados que devem ser respeitados. É proibida a entrada de pessoas não autorizadas dentro das frentes de serviços. Atenção redobrada também a movimentação de trabalhadores e equipamentos na rua Dr. Paulo Carneiro, no bairro Cabeçuda, lindeira aos trabalhos. Toda a movimentação de obras é acompanhada por técnicos do consórcio Ponte de Laguna. 
Trabalhos avançam na cabeceira Sul da Ponte de Laguna/SC

Trabalhos avançam na cabeceira Sul da Ponte de Laguna/SC

15/04/2014 às 16:22:20

Os trabalhos de construção dos três apoios da cabeceira Sul (quatro pilares e uma travessa), na ponte para travessia do Canal de Laranjeiras, avançam em ritmo acelerado, abrindo espaço para a instalação das aduelas no segundo trecho corrente da estrutura. O espaço de obras está localizado próximo ao km 316 da BR-101 Sul catarinense, no limite dos municípios de Laguna e Pescara Brava, segundo trecho em terra da ponte. O primeiro, já com boa parte dos trabalhos concluídos, está localizado em Cabeçuda, Laguna. Na cabeceira Sul, a travessa, construída em concreto e aço, marca o limite entre as pistas elevadas e o início do trecho terrestre, já no lote 1 da travessia urbana lagunense. Outros dois apoios, com quatro pilares ao todo, formam o conjunto de suporte para reinicio da instalação das aduelas – peças que formam o tabuleiro da estrutura – seguindo do Sul em direção aos pilares estaiados, na lagoa Santo Antônio dos Anjos. Nos quatro pilares seguem os trabalhos para construção das travessias, onde a treliça-lançadeira vai apoiar as peças. Quando os trabalhos das aduelas, nos 33 vãos do trecho corrente Norte for finalizado, a treliça-lançadeira, equipamento utilizado no içamento e instalação das peças vai retornar ao primeiro vão da ponte, em terra, sendo desmontada e transportada, em caminhões, até a cabeceira Sul. Lá, o equipamento será remontado e instalado nos pilares. O processo de desmonte e remontagem da treliça vai demorar 70 dias. O consórcio Ponte de Laguna (Camargo Corrêa-Aterpa/M.Martins-Construbase) pretende iniciar a operação de translado no início do mês de maio. A Ponte de Laguna terá 52 vãos, quando finalizada. Os trabalhos continuam no trecho Norte, com a instalação dos últimos vão de aduelas, na construção dos dois mastros estaiados e a construção de pilares no trecho Sul. A cravação de estacas (camisas metálicas) está chegando ao final. Das 136 pilares previstos (96 em vãos e 40 nos dois apoios estaiados), 132 estão prontos. Do vão 1 ao vão 33, todos os pilares estão concluídos. Atenção para desvio no km 316 – Para abrir espaço à construção da cabeceira Sul da ponte, o DNIT redefiniu o trânsito de veículos para desvio provisório, liberado no final do ano passado. Com isso, os motoristas devem atentar para o limite de velocidade, fixado em 60 km/h, para a sinalização provisória de obras, para o reingresso de veículos vindos das comunidades de Laranjeiras e Bananal, bem como a todo a entrada e saída de veículos e trabalhadores envolvidos na obra. O desvio liberado ainda recebe trabalhos complementares no talude escavado. Toda a frente de obras está sinalizada e identificada, cercada com tapumes, evitando a entrada de pessoal não autorizado ou a redução de velocidade para observação dos trabalho. Também é proibido o trânsito de veículos pelo espaço liberado para movimentação dos equipamentos, sobre o antigo traçado de pista. Com a liberação do viaduto de acesso ao Bananal, última obra de arte especial do lote 25, os motoristas devem seguir a sinalização disposta para acesso às comunidades lindeiras a BR-101 Sul, neste segmento. A treliça-lançadeira – O içamento e instalação das aduelas é feita pela treliça-lançadeira, equipamento vindo de Portugal para Laguna, para ser utilizado exclusivamente nas obras da ponte. A treliça mede aproximadamente 131 metros de comprimento, com 12 metros de altura, contanto do tabuleiro (parte superior do pilar) e cerca de nove metros de largura e 600 toneladas de peso, sendo o maior equipamento em operação no empreendimento. A treliça tem base fixa, atrelada aos pilares, e um guindaste móvel que desliza sobre a estrutura, içando as aduelas e tem capacidade de carga de 1260 toneladas, sendo capaz de erguer um vão com 14 aduelas – 48 metros de comprimento –, pesando cerca de 1211 toneladas, ou o mesmo peso de 1279 carros Wolkswagem Gol G6. Cada vão deve ficar pronto em cinco dias, considerando as condições climáticas para operação na lagoa Santo Antônio dos Anjos. O consórcio estima que 30 pessoas serão necessárias para operação do equipamento e realização das atividades de construção civil envolvidas (colagem e tencionamento de cabos de aço das aduelas, etc.). Todos os profissionais das empresas integrantes do consórcio têm experiência em outros modelos de treliça-lançadeira, e receberam treinamento do fabricante para operar o modelo adquirido para construção da Ponte de Laguna.

Atenção redobrada para trabalhos complementares na BR-101 Sul/SC

14/04/2014 às 15:28:33

Os motoristas que trafegarem pela BR-101 Sul catarinense devem atentar para trabalhos complementares em dois trechos da rodovia federal. O primeiro segmento em modificações no fluxo está localizado entre o km 318 ao km 334, de Pescaria Brava a Tubarão, com interferência em ambos os sentidos. O segundo fica entre o km 352 ao km 353, no sentido Sul-Norte, do viaduto de acesso a Jaguaruna ao viaduto de acesso ao Morro Azul. Todos os trabalhos são voltados para a construção de proteções de concreto (New Jersey) na divisão central e bordos de pistas. Com tempo estável, as atividades serão realizadas até quinta-feira, ao meio dia e retornam na terça-feira, 22, após o meio dia. Para a construção das barreiras é necessário a interrupção em faixas de rolagem, sempre próximas do local de trabalho, para movimentação de equipamentos e trabalhadores. Toda a sinalização vertical provisória está disponibilizada, devendo os motoristas observá-la para evitar acidentes. A construção da barreira de proteção integra os serviços complementares da duplicação da rodovia federal. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) instalou cerca de 130 quilômetros de proteções de concreto para divisão de pistas duplicadas na BR-101 Sul catarinense. As divisórias servem de sinalização e proteção aos usuários da rodovia federal. O projeto de expansão do fluxo da rodovia federal prevê a construção de 134 quilômetros desse tipo de proteção, entre os municípios de Palhoça a Passo de Torres, divisa com o estado do Rio Grande do Sul. Do total, 97% estão concluídos, restando trechos pontuais nos lotes 25 e 29. As proteções de concreto New Jersey fazem parte do lote de sinalização definitiva da BR-101 Sul duplicada, assim como a vertical (placas, painéis e pórticos) e horizontal (faixas de eixo centra, bordos e zebrados). A estrutura separa os sentido de fluxo de tráfego, evitando a invasão da pista contrária, orientando a circulação de veículos. As estruturas – As barreiras “New Jersey” são construídas somente nos trechos duplicados e onde não há separação das pistas por canteiros de vegetação rasteira. Todos os lotes da duplicação receberam proteções desse tipo. As barreiras têm 80 centímetros de altura, com base de até 40 centímetros, sendo instaladas por meio de processo automatizado. O concreto é moldado por equipamento mecânico que dá forma à barreira, enquanto outros funcionários fazem os acabamentos estéticos. O tempo máximo para secagem do concreto é inferior a 20 horas. A Polícia Rodoviária Federal de Tubarão pede o máximo de atenção de todos os usuários da rodovia, que trafegam pelo local, nos trechos das obras complementares do Lote 25 e das remanescentes do Lote 29, entre Araranguá Sombrio.
Rebaixo de pistas chega a 70 metros, no túnel do Morro do Formigão

Rebaixo de pistas chega a 70 metros, no túnel do Morro do Formigão

14/04/2014 às 15:27:13

Depois de ligar as frentes de obras e unir a galeria do túnel no Morro do Formigão, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), através dos trabalhos realizados pelo consórcio das empresas JDantas e Novatecna, avança no rebaixo da pista. Além dos oito metros já escavados, será necessária a retirada de aproximadamente 3,8 metros da base, para compor toda a passagem. O empreendimento faz parte da segunda etapa de obras para expansão do fluxo de veículos na BR-101 Sul catarinense. Dos 530 metros do túnel, 70 já tem o rebaixo concluído, sendo 60 no emboque Sul e dez no emboque Norte. Para a escavação, o consórcio repete a rotina de detonações de rochas, avançando até quatro metros no início da galeria, onde o solo é mais instável, e podendo avança até oito metros, quando as escavações chegarem a rocha sã. Os trabalhos de rebaixamento da base são feitos separadamente, em duas frentes, como na escavação da galeria. Detonações de explosivos vão continuar – O DNIT e o consórcio responsável pelo túnel do Morro do Formigão, finalizaram a escavação da galeria no dia 03 de abril passado. Agora, é possível andar de uma extremidade a outra do túnel por dentro do Morro do Formigão, sem a necessidade de trafegar pela rodovia federal. Por enquanto, a circulação é permitida somente para os profissionais envolvidos na construção. Novas detonações serão realizadas, nas próximas semanas, para rebaixo da camada de solo e rochas, para dar as dimensões finais do túnel. Serão realizados trabalhos de remoção de rochas com detonação de explosivos entre 7 horas às 18 horas, de segunda-feira a sábado. Cada interrupção no tráfego da rodovia federal dura de cinco a dez minutos, dentro da eficácia dos procedimentos de detonação, não comprometendo o fluxo de veículos nos horários. Os usuários da BR-101 Sul e moradores do bairro Fábio Silva, em Tubarão, lindeiro ao empreendimento, poderão utilizar o Serviço de Atendimento da duplicação, pelo telefone 0800 6030 101 ou a Empresa de Supervisão e Gerenciamento Ambiental (ESGA), no telefone 3632-0285. As informações sobre andamento da obra de construção do túnel para transposição do Morro do Formigão, detonações e avisos de segurança são distribuídos para a imprensa regional. Cuidados redobrados – Os usuários da rodovia federal devem ter atenção redobrada quando o trânsito for liberado após os serviços de detonação em Tubarão: no segmento há trânsito de veículos em pista simples de mão dupla, com o limite de velocidade máxima de 60 Km/h. O DNIT recomenda que durante a interrupção do tráfego, os usuários da BR-101 Sul não tomem caminhos alternativos, pois o intervalo de tempo entre as detonações e a liberação do tráfego é pequeno. O uso de vias municipais torna-se mais demorado, além de acrescer fluxo aos bairros de Monte Castelo, Oficinas e Morrotes, aglomerados urbanos tubaronenses. Nos dias sem os trabalhos de corte de rochas, os cuidados também devem redobrados, tendo vista a movimentação intensa de trabalhadores e de equipamentos alocados nas frentes de obras. É recomendado aos moradores próximos ao empreendimento que evitem a aproximação nas frentes de obra dos emboques Norte e Sul do túnel. O fluxo intenso de veículos pelo segmento de pista simples entre o km 337 ao km 339 da BR-101 Sul, torna o trecho inadequado para circulação de pedestres. Além disso, há movimentação de equipamentos pesados, como tratores e caminhões basculantes, ocupando o espaço da pista de sentido Norte-Sul, pela faixa destinada ao trânsito lento. O túnel – Quando finalizado, o túnel para transposição do Morro do Formigão terá 900 metros de extensão, sendo 530 metros de galeria e 370 metros de acessos. Haverá somente uma pista, no sentido Norte-Sul de tráfego, ficando o sentido oposto em tráfego pelo traçado atual da rodovia. A altura final será de 11,7 metros, com duas faixas de rolamento, com 3,6 metros de largura, acostamento com três metros de largura, passagem para pedestres, com 1,6 metros de largura e mais um metro de espaço entre a mureta de proteção e o início da faixa de rolagem da esquerda. A construção do túnel do Morro do Formigão é a quarta obra para transposição de maciços rochosos. Outras três estão concluídas e liberadas ao tráfego de veículos, dentro das obras de duplicação da BR-101 Sul Trecho Palhoça/SC - Osório/RS. Os dois primeiros túneis, com 1.841 metros de extensão cada, foram liberados em dezembro de 2010, estão localizados entre o km 67,460 e o km 69,297, em Máquine, no do Rio Grande do Sul. O terceiro túnel está localizado no km 257,2 da rodovia, no Morro Agudo, em Paulo Lopes. Esta galeria tem 1.014 metros de extensão.
Ponte de Laguna chega ao trigésimo vão instalado

Ponte de Laguna chega ao trigésimo vão instalado

14/04/2014 às 15:25:30

 A ponte para travessia do Canal de Laranjeiras, obra da segunda fase de duplicação da BR-101 Sul catarinense, finaliza nesta semana, a instalação do trigésimo vão de aduelas para composição das pistas elevadas. A estrutura está em execução entre o km 312,9 ao km 315,8 da rodovia federal, entre os municípios de Laguna e Pescaria Brava. Serão 2830 metros de pistas elevadas, unindo o lote 1 da travessia urbana lagunense ao lote 25, já duplicado. Dos 30 vãos instalados, dez foram construídos em terra. Cada vão é finalizado em menos de sete dias, meta do consórcio para o preenchimento de cada espaço com aduelas. No espaço entre pilares, são içadas e instaladas 14 aduelas, sendo 12 unidades com 3,65 metros de comprimento, nove metros de largura e 3,2 metros de altura. As outras duas aduelas terão 1,60 metros de comprimento mantendo as demais medidas. Cada unidade pesa cerca de 90 toneladas. O consórcio Ponte de Laguna, formados pelas empresas Camargo Corrêa-Aterpa/M.Martins-Construbase, contratado pelo DNIT para execução da travessia sobre a lagoa Santo Antônio dos Anjos, já produziu 462 aduelas das 716 previstas para a estrutura (616 do trecho corrente e 100 do trecho estaiado). Do total produzido foram instaladas 406 aduelas, do vão 1 ao vão 30. Para completar o trecho corrente Norte, o consórcio tem em aduelas suficientes no estoque, localizado no canteiro central, no bairro Mato Alto, em Laguna. No canteiro, a construção de novas unidades segue em ritmo acelerado, voltado para o trecho estaiado e estocagem de novos vão do trecho corrente Sul. O processo de instalação nos vãos – O processo de içamento das aduelas inicia no canteiro Central do consórcio, no bairro Mato Alto. Lá são construídas as unidades que são transportadas até a frente de obras. A construção das unidades é realizada sobre bases de concreto, em duas etapas, sendo a primeira a laje de fundo e a segunda as vigas e laje superior. Para execução das peças são utilizadas ferragens, formas e cimbramentos (estruturas de suporte provisórias) especiais, e concreto, garantindo a geometria e resistência previstas em projeto. O içamento e instalação das aduelas é feita pela treliça-lançadeira, equipamento que mede aproximadamente 131 metros de comprimento, com 12 metros de altura, contanto do tabuleiro (parte superior do pilar) e cerca de nove metros de largura e 600 toneladas de peso, sendo o maior equipamento em operação no empreendimento. A treliça tem base fixa, atrelada aos pilares, e um guindaste móvel que desliza sobre a estrutura, içando as aduelas e tem capacidade de carga de 1260 toneladas, sendo capaz de erguer um vão com 14 aduelas – 48 metros de comprimento –, pesando cerca de 1211 toneladas. As aduelas serão acrescidas de abas laterais, para dar a largura de pistas, que variam de 24 a 26 metros. Depois de içadas, as aduelas vão receber aplicação de adesivo estrutural a base de epóxi entre cada unidade. Em cada ligação de aduelas serão instaladas cindo barras de aço carbono pré-tensionadas, para compressão e cura da cola. Após essa etapa o vão montado é protendido (esticado) e as barras são desmontadas para serem reutilizadas no próximo vão.
Preços da Apple no Brasil são ‘inacreditáveis’, diz site dos EUA

Preços da Apple no Brasil são ‘inacreditáveis’, diz site dos EUA

14/04/2014 às 13:44:54

Levantamento dos preços em dólares no Brasil e nos Estados Unidos confirma o País em mais um ranking de preços mais altos do mundo   O site Businees Insider, com sede em Nova York, enviou um repórter ao País para conferir as notícias de que os artigos da Apple aqui são os mais caros do mundo. A conslusão do repórter foi a de que os preços aqui são 'inacreditáveis'. "O iPhone 5S de 64 gigabytes custa R$ 3.599 reais, ou cerca de US$ 1.637 dólares, o que torna o iPhone vendido no Brasil o mais caro do mundo", constata o site. O mesmo produto custa US$ 849 nos EUA. "Ainda é caro, mas é a metade do preço no Brasil", acrescenta. O levantamento com os produtos Apple é apenas mais um numa lista em que já entratam outras estatísticas semelhantes que comprovam que os preços no Brasil são mais altos em vários itens. O mais recente estudo foi o 'índice Zara', feito pelo banco BTG Pactual com os preços da grife espanhola Zara. O Brasil também costuma frequentar posições no topo do ranking do 'índice Big Mac', que compara os preços do hambúrguer do McDonald's em dólares nos países onde a rede está presente. E os preços dos videogames Play Stations também causaram polêmica semelhante nos últimos meses.
Audiência pública interativa sobre o Marco Civil da Internet acontece nesta terça

Audiência pública interativa sobre o Marco Civil da Internet acontece nesta terça

14/04/2014 às 13:35:34

Será realizada nesta terça-feira (15), uma audiência pública interativa para debater o Marco Civil da Internet, às 14h, em sessão conjunta das Comissões de Ciência e Tecnologia (CCT), Meio Ambiente (CNA) e Constituição e Justiça (CCJ). O Projeto 21/2014, aprovado na Câmara dos Deputados no final de março, estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para uso da rede no Brasil. Este é o segundo de três encontros.O senador Luiz Henrique (PMDB-SC) é o relator do projeto na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor, Fiscalização e Controle (CMA). Tanto os representantes do governo e da sociedade civil, como de diversas ONGs, gostariam de apresentar a legislação brasileira na Conferência Multissetorial sobre o Futuro da Governança da Internet, que reunirá representantes de 150 países entre 22 e 23 deste mês, em São Paulo. Eles entendem que o pioneirismo do texto da Câmara já traduz as demandas apresentadas pela sociedade.O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que consultará os líderes partidários para marcar a data de votação do projeto. E designou o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) como relator da matéria em plenário.O texto em exame no Senado garante a privacidade, a neutralidade, a inviolabilidade, o sigilo, a liberdade de acesso e de manifestação na web. E determina que as empresas desenvolvam mecanismos para assegurar que os e-mails só serão lidos pelos emissores e destinatários, como nas tradicionais cartas de papel.O projeto também garante proteção a dados pessoais e registros de conexão. E coloca na ilegalidade a cooperação das empresas de internet com departamentos de espionagem de Estado, como a NSA, dos Estados Unidos.Como grande avanço, determina que empresas internacionais que operam no Brasil como Microsoft, Facebook, Yahoo e Google, fiquem obrigadas a cumprir a legislação e a se submeter à jurisdição das autoridades brasileiras.Para esta audiência pública estão convidados: Eduardo Moreira – diretor do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal; José Francisco Lima – conselheiro da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert); Marcel Leonardi – diretor do Google do Brasil; e, Renato Cruz – do jornal “O Estado de São Paulo”. 
Governador Raimundo Colombo e ministro da Agricultura prestigiam inauguração da unidade da Aurora em Joaçaba

Governador Raimundo Colombo e ministro da Agricultura prestigiam inauguração da unidade da Aurora em Joaçaba

14/04/2014 às 09:55:47

O governador Raimundo Colombo, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, o secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, e lideranças políticas e empresariais de Santa Catarina participam nesta terça-feira, dia 15, às 10h, no distrito industrial de Joaçaba, no meio-oeste catarinense, da inauguração de uma unidade de abate e processamento de suínas da Cooperativa Central Aurora Alimentos. O empreendimento que recebeu apoio do Governo do Estado para sua reabertura destinará 44% de sua produção para exportação e 56% para o consumo do mercado nacional. O evento também marcará os 45 anos de fundação da Cooperativa Central Aurora Alimentos e coloca no mercado uma planta vocacionada e estruturada para atender ao mercado internacional de produtos cárneos. Em 2013, o governador Raimundo Colombo e o ex-secretário da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues, atendendo uma reivindicação das lideranças de Joaçaba e da empresa, decidiram investir R$ 8 milhões na perfuração de poços profundos para dobrar a oferta de água potável na indústria e na construção de uma tubulação de seis quilômetros para o despejo dos efluentes tratados no Rio Caraguatá, que auxiliou na reabertura da unidade no município. A unidade industrial de Joaçaba foi inaugurada em abril de 2002 e teve suas atividades paralisadas, em face da crise financeira internacional, no mês de abril de 2009. Reabriu em janeiro deste ano, depois de 12 meses de obras de ampliação e modernização que absorveram investimentos da ordem de R$ 86 milhões.  Na reunião, o ex-secretário João Rodrigues, salientou o impulso à economia do Meio-Oeste catarinense com a reativação da unidade da Aurora. “Trata-se de um grande investimento da iniciativa privada que precisa do nosso apoio, porque o retorno na economia, não será só de Joaçaba, como de toda a região”. O prefeito de Joaçaba, Rafael Laske, disse que além do movimento econômico gerado pela reabertura da indústria, o grande benefício para o município será a contribuição social gerada por meio da criação de emprego e renda às pessoas de Joaçaba e região. Com a nova planta industrial, a Aurora triplicou sua capacidade industrial e de geração de produtos cárneos destinados à exportação, anunciou o presidente Mário Lanznaster. O abate atual é de 1.500 suínos/dia e, em setembro, sobe para 3.000 cabeças/dia. Os benefícios sociais para a região são imensos. A reabertura do frigorífico de Joaçaba gera 1.060 empregos diretos e 3.000 empregos indiretos. Para essa primeira etapa foram contratados 560 trabalhadores. Para a segunda fase, em setembro de 2014, serão necessárias mais 500 pessoas, totalizando 1.060 empregos diretos. O município-sede será beneficiado com a geração anual de ICMS da ordem de R$ 12 milhões
Sicoob Credisulca comemora dez anos em Forquilhinha

Sicoob Credisulca comemora dez anos em Forquilhinha

14/04/2014 às 08:36:16

Cooperativa de Crédito comemora aniversário no mesmo mês da cidade.   Forquilhinha   O Sicoob Credisulca completou dez anos em Forquilhinha no domingo, 13. O aniversário da agência é no mesmo mês que a cidade completa 25 anos de emancipação político-administrativa. Na sexta-feira, 11, a agência foi decorada com balões e faixa e um coquetel foi servido no começo da manhã para os colaboradores. Também participaram do coquetel, o presidente do Sicoob Credisulca, Romanim Dagostin, o diretor financeiro Gregório Hercílio de Jesus Júnior e o gerente da agência de Criciúma, Luiz Lauro Baesso. Iniciando a comemoração, Dagostin falou com os colaboradores, parabenizando-os pelo aniversário da agência e agradecendo pelo tempo que cada um dedica ao Sicoob Credisulca. O gerente da agência aniversariante, Gilmar Fabris, serviu o primeiro pedaço do bolo para o presidente e todos os colaboradores puderam saborear o coquetel preparado por Fabris. Durante todo o dia foram servidos aos associados uma deliciosa torta, salgadinhos, café e refrigerantes, para que todos pudessem comemorar o aniversário do Sicoob Credisulca em Forquilhinha. A agência fica localizada na Avenida 25 de Julho, Centro, e conta com sete colaboradores, todos moradores de Forquilhinha, para valorizar os forquilhinhenses e melhor atender os associados.
“Não queremos uma migalha”, diz presidente da Fecam em mobilização

“Não queremos uma migalha”, diz presidente da Fecam em mobilização

11/04/2014 às 13:47:42

A Agência Adjori acompanhou a campanha "Viva o seu Município" que reuniu prefeitos de todo o Estado, na Alesc O presidente da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), e prefeito de Taió, Hugo Lembeck, afirmou na manhã desta sexta-feira (11), durante a mobilização estadual da campanha “Viva o seu Município”, que as reivindicações em busca de mais recursos para os municípios não são somente de Santa Catarina, mas de todo o País.“A preocupação é nacional. Os municípios estão falindo, pois a cada dia aumenta a responsabilidade quando se inicia um novo programa, como um CRAS, um Creas, mas não há contrapartida para fazermos frente a estas despesas que aparecem”, esclarece Lembeck.O objetivo das manifestações é de chamar a atenção e sensibilizar o Governo Federal, os deputados e senadores para que as novas leis e ações estejam de acordo com o repasse financeiro destinado aos municípios. “Hoje o custeio da máquina pública é pesado. Nos sobra de 3% a 5% no município para investimento. Isso inviabiliza as administrações para que possam fazer aquilo que a população necessita, que são obras e melhorias na qualidade de vida da população”, ressalta o presidente da Fecam.Em relação aos avanços já alcançados com a Marcha dos Prefeitos, Hugo Lembeck, destacou que foi repassado o Auxílio Financeiro aos Municípios (AFM), sendo que uma parcela foi entregue em setembro do ano passado, e a outra, neste mês de abril. Para o presidente, é um avanço, mas não o suficiente. “É uma parcela, mas nós não queremos uma migalha. Queremos o que nos é de direito”, enfatizou.Distribuição de rendaHugo Lembeck afirmou que a distribuição do bolo tributário tem de ser revista. Segundo ele, atualmente os municípios arrecadam 17% do bolo nacional, enquanto 23% segue para o Estado e 60% para a União. Em sua opinião, para que as necessidades municipais de atendimento à população sejam supridas, é necessário rever o pacto de distribuição de renda. “Precisamos de 30%, pelo menos, para os municípios; 25% para os Estados e 45% para a União. As pessoas moram aqui, e, portanto, é aqui que elas vêm reivindicar, não em Brasília”. MetaA intenção desta ação é de chamar a atenção da população e das autoridades como um todo. O próximo passo consiste em continuar a mobilização e acompanhar as discussões em Brasília, em prol dos municípios.A mobilização estadual foi realizada pela Federação Catarinense de Municípios (Fecam) e as Associações de Municípios de Santa Catarina. O ato faz parte da campanha “Viva o seu Município”, da Confederação Nacional de Municípios (CNM). 
Mostrando 1-12 de 2999
1
...
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
80
81
82
83
84
85
86
87
88
89
90
91
92
93
94
95
96
97
98
99
100
101
102
103
104
105
106
107
108
109
110
111
112
113
114
115
116
117
118
119
120
121
122
123
124
125
126
127
128
129
130
131
132
133
134
135
136
137
138
139
140
141
142
143
144
145
146
147
148
149
150
151
152
153
154
155
156
157
158
159
160
161
162
163
164
165
166
167
168
169
170
171
172
173
174
175
176
177
178
179
180
181
182
183
184
185
186
187
188
189
190
191
192
193
194
195
196
197
198
199
200
201
202
203
204
205
206
207
208
209
210
211
212
213
214
215
216
217
218
219
220
221
222
223
224
225
226
227
228
229
230
231
232
233
234
235
236
237
238
239
240
241
242
243
244
245
246
247
248
249
...
250